Follow by Email

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

ARTIGO

A Igreja Católica e a ameaça dos três poderes
            No dia 11 de fevereiro de 2013, uma notícia chamou a atenção do mundo inteiro: o anúncio da renuncia do Papa Bento XVI. Ela foi recebida por uma boa parte da opinião pública com uma dose de surpresa. Isso porque nada semelhante aconteceu em 700 anos. A inesperada abdicação do pontificado por Joseph Ratzinger motivou uma série de especulações por parte da imprensa mundial. Ao ler alguns artigos, pude perceber que a Igreja Católica se viu, pelo menos Bento XVI, diante das ameaças corrosivas dos três poderes que praticamente movem as macros estruturas mundiais: sexo, política e dinheiro.

            Em relação ao sexo, a igreja por muito tempo tenta esconder os escândalos de pedofilia dos padres nos países em que a Sé Católica atua. Apesar das tentativas de Ratzinger de investigar por meio de inquérito oficial os escândalos de abuso sexuais segundo a agencia de notícia Reuters, isso se demonstrou insuficiente. De acordo com o artigo publicado no site do jornal Valor Econômico, acordos e julgamentos nos casos de abuso sexuais custaram bilhões de dólares e levaram algumas dioceses à falência. E mais ações desse tipo estão pendentes. Apesar de sua reputação como teólogo, o que parece é que ele se viu impotente diante do que conscientemente deveria fazer, porém sem força política para poder fazer.

            Já em relação à política, fica claro que nos corredores do Vaticano havia uma constante pressão sobre Bento XVI vinda de cardeais que não se adaptaram à maneira de Ratzinger em conduzir a administração da igreja. Segundo o articulista Gabriel Gomes da revista CartaCapital, as disputas pelo poder ficaram evidentes no escândalo do mordomo que cuidava do Papa. Ele roubou documentos sigilosos que deixavam claro o jogo de poder no Vaticano e os divulgou para a imprensa. O que parece é que ele não agiu sozinho, dando a entender, portanto, que alguém mais estava interessado em manchar a administração do representante maior da igreja Católica. Ratzinger se viu sem chão político para conduzir o seu mandato. A pressão política se mostrou mais forte.

            Falando em poder econômico, parece também que Ratzinger se viu pressionado com os crescentes resultados financeiros negativos no balancete da igreja. O Banco do Vaticano diante da perda de receitas se viu obrigado a fechar os caixas eletrônicos e proibiu as bilheterias e lojas do museu de aceitarem cartões de débito e crédito como pagamento dos visitantes, segundo Carol Matlack em Valor Economico. Como se não bastasse, foi descoberto, em 2010, uma rede de lavagem de dinheiro liderada por Ettore Gotti Tedeschi, então presidente dessa instituição financeira, que custaram aos cofres do banco US$ 30,8 milhões. Se o dinheiro diminui, as relações se enfraquecem. Foi o que ocorreu com Bento XVI.

            Diante disso, o que se pode esperar do novo líder que a igreja Católica elegerá é alguém que saiba lidar com as finanças, com o poder e sexologia dos padres. Alem do mais, ele terá que efetuar duras reformas no Vaticano e se possível até mesmo na Tradição da Igreja. Portanto, o próximo líder católico terá que conduzir a igreja para grandes mudanças que podem se estender até às relações que a igreja mantém com as diversas instituições políticas e religiosas mundiais.